A Transmutação do ser

.posts recentes

. O Principezinho

. Sobre a Liberdade

. Estou de volta!

. Que opções tem o homem na...

. Filosofia para quê?

. Ser Herói

. Reflexão

. Contemplando a Natureza

. "É uma questão de discipl...

. Aprender com Fernão Capel...

.arquivos

. Outubro 2012

. Abril 2012

. Maio 2010

. Dezembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

Domingo, 19 de Abril de 2009

Aprender com Fernão Capelo Gaivota

 

A maior parte das gaivotas não se querem incomodar a aprender mais que os rudimentos do voo, como ir da costa à comida e voltar. Para a maior parte das gaivotas, o que importa não é saber voar, mas comer. Para esta gaivota, no entanto, o importante não era comer mas voar. Mais que tudo, Fernão Capelo Gaivota adorava voar.”

Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach

 

Saudações caros amigos!

 

Mais uma vez me faço valer desta tão rica obra, Fernão Capelo Gaivota para falar convosco, isto porque em cada parágrafo que leio e releio, vejo um manancial de conselhos para conseguir seguir em frente neste mundo de crise, nesta Nova Idade Média que teima em instalar-se no nosso mundo. Hoje decidi reflectir sobre o parágrafo acima citado. É incrível como podemos fazer uma analogia com os dias de hoje.

Hoje em dia, a maior parte de nós não passa de mais uma gaivota do bando que tenta a todo o custo sobreviver, isto não é de todo negativo desde que em paralelo façamos algo que nos alimente a alma também, e desde que para sobrevivermos não tenhamos que prejudicar o nosso semelhante. Uma das imagens desta obra que tenho guardada na memória, é a parte em que as gaivotas do bando se atacam umas às outras por causa do alimento, nos dias que correm já muitas pessoas fazem o mesmo, e fazem-no porque ainda não descobriram o verdadeiro significado da vida, porque teimam em querer enriquecer a qualquer custo. Para a maior parte das pessoas o importante não é saber viver realmente, mas sim conseguir as coisas da maneira mais fácil possível, se possível que lhes vão ter a casa, a prova disto são as milhares de pessoas que usufruem de apoios do estado por estarem sem emprego, não é errado o estado dar estes apoios, muito pelo contrário, mas é sim errado não educarem e sensibilizarem as pessoas para a importância de aprenderem algo que as possa ajudar a sair daquela situação, e é igualmente errado as pessoas submeterem-se simplesmente a isso, ao invés de lutar por uma vida melhor.

Assim como Fernão adorava voar e se esforçava para aprender novas técnicas que o aproximassem mais e mais da perfeição, também nós devemos adorar viver, mas quando falo de viver, falo de viver com letra maiúscula, ou seja, ter um verdadeiro sentido da vida, descobrir algo que nos faça crescer, descobrir um alimento subtil, um alimento para a alma, só quando descobrirmos este alimento vivermos realmente.

Para terminar em grande deixo-vos outro parágrafo desta obra, para que desta vez sejam vocês a reflectir:

 

“- Vais começar a aproximar-te do paraíso, Fernão, no momento em que atingires a velocidade perfeita. E isso não é voar a mil e quinhentos quilómetros por hora, nem a um milhão, nem à velocidade da luz. É que nenhum número é um limite e a perfeição não tem limites.”

 


publicado por Psiqué às 22:27

link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.Informações Pessoais

.pesquisar

 

.Outubro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.links

blogs SAPO

.subscrever feeds