A Transmutação do ser

.posts recentes

. O Principezinho

. Sobre a Liberdade

. Estou de volta!

. Que opções tem o homem na...

. Filosofia para quê?

. Ser Herói

. Reflexão

. Contemplando a Natureza

. "É uma questão de discipl...

. Aprender com Fernão Capel...

.arquivos

. Outubro 2012

. Abril 2012

. Maio 2010

. Dezembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

Sexta-feira, 25 de Julho de 2008

Poderá existir tarefa mais nobre do que libertar a nossa própria alma?

 

Foi assim que terminei a minha última reflexão, e sem dúvida tenho reflectido sobre ela, e de alguma maneira tenho trabalhado nesse sentido. É sem dúvida um trabalho árduo, que exige muitas vezes esforço e sacrifícios, mas se assim não fosse, não surtiria efeito, pois o que é realizado com algum esforço ou sacrifício é digno de alimentar a nossa alma.

Tem que haver vontade, a vontade é a força que anima a alma, muitas vezes sentimo-nos cansados, sem ânimo, fartos de tudo, e esquecemos esta vontade que temos de crescer.

 Não nos podemos esquecer, que depende de nós, se seguimos em frente, se recuamos, ou se simplesmente paramos.

que ser-se filósofo e nunca parar, pois como ouvi um dia o Director Nacional da Nova Acrópole de Portugal dizer, “Parar é recuar!”, recuar não no caminho físico, mas também no espiritual, pois a alma tal como o corpo, precisa de alimento regular. Pensemos, “O que me aconteceria se eu não me alimentasse durante uma semana?” Pois com a nossa alma aconteceria o mesmo, não basta viver do trabalho, mesmo que nos sintamos recompensados economicamente e não , temos que saber, que quanto mais trabalhamos a nível material, mais nos afastamos do caminho, nada é bom em excesso, mesmo que nos pareça que sim, tal como disse Buda na sua parábola da tocadora de vina, “A corda frouxa nãosom, e se está muito tensa quebra as nossas esperanças, no justo meio é quando nos dá a sua harmonia.”

Deixo-vos uma pequena lista de alguns livros que considero verdadeiro alimento para a alma, espero que possam ler alguns:

  • “Ankor, o príncipe da Atlântida” de Jorge Angel Livraga Rizzi
  •  “Principezinho” de Antoine Saint Exupéry
  • “Fernão Capelo Gaivota” de Richard Bach
  • “O cavaleiro da armadura enferrujada” de Robert Fisher

Estes são alguns dos livros que me despertaram para o verdadeiro sentido da vida.

Sinto que vos serão úteis!


publicado por Psiqué às 21:22

link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.Informações Pessoais

.pesquisar

 

.Outubro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.links

blogs SAPO

.subscrever feeds